Tudo sobre a criação de caracóis ou escargots no Brasil


Como montar uma criação de escargot lucrativa gastando pouco e sem cometer erros, ganhe muito dinheiro com helicicultura. Aprenda tudo: investimento, localização, equipamentos, fornecedores, mercado, concorrência, riscos, legislação, mão de obra especializada, captação de cliente, financiamento, atendimento e muito mais…

COMO MONTAR OU INICIAR UMA CRIAÇÃO DE ESCARGOT

FICHA TÉCNICA
Setor: Agroindústria.
Tipo de Negócio: Helicicultura
Ramo de Atividade: Criação de Escargots.

HISTÓRICO

Descobertas arqueológicas comprovam que desde a pré-história o homem utiliza o escargot para a sua alimentação. Nas proximidades das cavernas do homem pré-histórico, arqueólogos encontraram depósitos de conchas de 10 a 200 metros de comprimento com 1 a 1,5 metro de altura, indicação de que os escargots eram largamente consumidos.

APRESENTAÇÃO

Trazido por imigrantes europeus, o escargot começou a ser criado no Brasil há 40 anos e hoje a atividade começa a tornar-se um bom negócio. Em francês, escargot significa caracol, molusco, porque seu corpo é mole, sem esqueleto, gastrópode (parte estomacal (gaster-estômago) junto ao pé (podes = pé)), pulmonado (respira através do pulmão), terrestre, ao contrário de seu primo caramujo que habita as águas doces ou salgadas.
Pertence ao gênero Helix (de onde vêm hélice), porque seu corpo faz uma torsão de 180º e por isso, a criação é denominada helicicultura.

A HELICICULTURA

É a denominação que se dá a quem cria escargots e helicicultor, a pessoa que o cria. Não há grandes dificuldades em seu manejo, mas o trabalho é grande, exige dedicação e constante observação por parte do produtor. A criação de escargots configura-se como uma alternativa interessante na medida em que é possível integrar manejo com atividades como horta e minhocário. Nesses casos, os subprodutos são aproveitados e o resultado dessa integração é redução de custos e oferta de produtos saudáveis.

MERCADO

É pouco explorado e de abastecimento instável, demonstrando a necessidade de modernização do setor e de melhor divulgação, apesar disso, com um pouco mais de 15 anos no mercado brasileiro, esse molusco tem conquistado adeptos por exigir pouca área para cultivo e baixo investimento.
Basta um rápido folhear nos suplementos agrícolas dos jornais e nas revistas da área agroveterinária, e lá estarão os “escargots”, eles frequentam também programas de TV destinados aos produtores rurais, e até mesmo laboratórios de algumas instituições universitárias, empenhadas na busca de novas fontes de proteína para a alimentação humana. Enfim, os “escargots” parecem reunir o esforço de muitos, visando a difusão do cultivo e consumo dessa especialidade da cozinha francesa. O esforço é louvável, sobretudo se considerarmos que o grande crescimento da população mundial impõe uma demanda crescente por alimentos, que não pode ficar restrita às formas tradicionais.

COMÉRCIO

Com o objetivo de viabilizar a comercialização, estabeleceram-se núcleos de criadores ligados a uma empresa ou cooperativa incumbida de processar e vender o produto. Esta tem sido a solução ideal – principalmente para o problema da comercialização -, já que o processamento da carne para a venda não oferece grande dificuldade. A carne, comercializada de várias formas, e é vendida para restaurantes, supermercados, delicatessens. Pesqueiros também são clientes, pois absorvem a produção dos animais que não atingiram peso ideal para abate.
Em condições ideais de comercialização, os escargots são oferecidos em conserva, com as conchas separadas (onde a carne é servida). Este padrão é adotado por alguns produtores nacionais, mas existem outras formas de apresentação da carne do escargot, que pode ser congelada, em conserva, com molhos especiais, dentre outros.

ESTRUTURA

É comum o aproveitamento de espaços utilizados anteriormente para outros fins (no mínimo vinte metros quadrados) como garagens, paióis, cocheiras, pocilgas, etc.
A área mínima para criação varia de 20 m² a 60 m². Deve possuir água potável (sem cloro) em abundância para suprir todo o heliário, estar longe de poluição e protegido contra ventos. A existência de matas nas imediações da cultura é fator de grande importância porque acumulam umidade e servem como “quebra-vento”.

EQUIPAMENTOS BÁSICOS

– Termômetros;
– Higrômetro (aparelho que mede a umidade do ar);
– Espátula de ferro;
– Escova (de roupa), esponja;
– Pulverizador de água, etc.

CARACTERÍSTICAS

Classificado como pescado pelo Ministério da Agricultura, o escargot é molusco hermafrodita incompleto (animal que possui dois sexos mas incapazes de autofecundar-se), havendo por isto necessidade da cópula entre dois animais para que um fecunde ao outro. Fatores como alimentação, precocidade e temperatura influenciam diretamente no tempo em que o animal pode levar para crescer e reproduzir.

ESPÉCIES

Existem mais de 4.000 espécies de caracóis comestíveis em todo o mundo, mas as principais são:

HELIX ASPERSA MAXIMA OU GROS GRIS

Muito prolífero e com ótima aceitação no mercado externo e interno. É indicado para criação em regiões com climas temperados e frios. Seu peso adulto para abate é ao redor de 15 gramas.

ACHATINA FULICA OS ESCAGOT CHINÊS

É o maior escargot comercializado conhecido. Quando adulto, pode pesar mais de 200 gramas. Sua concha é de cor marrom com ranhuras transversais muito escuras. Pode medir até 15 cm do vértice à base. É uma espécie das mais prolíferas, botando mais de 200 ovos em cada postura. Para consumo são comercializados os filhotes na faixa de 15 a 20 gramas. Desenvolve-se muito bem em regiões de clima quente.

HELIX ASPERSA OU PETIT GRIS

É um escargot de pequeno porte. 0 diâmetro da concha pode variar de 18 a 30 mm e a altura de 20 a 30 mm. Sua forma oval e cor cinza rajada com faixas creme, contrasta com o corpo escuro tendendo para o preto. Peso médio de 7 gramas.

HELIX POMATIA OU ESCARGOT DE BOURGOGNE

É o maior escargot europeu. O diâmetro da concha pode variar de 30 a 55 mm e a altura de 30 a 50 mm. A cor da concha varia em função da região de procedência, apresentando diversas nuanças do ruivo até o marrom escuro, com ranhuras transversais. Peso médio ao redor de 22 gramas. Tem ciclo mais longo que o Gros Gris e o Escargot Turco.

HELIX LUCORUM OU ESCARGOT TURCO

É muito parecido com o Escargot de Bourgogne. Apresenta uma concha com espirais marrons e mechas castanho escuro o que o diferencia do Bourgogne que apresenta as mesmas características com nuanças mais claras. Peso médio de 20 gramas.
No Brasil são criadas duas espécies de escargot: Gros gris e Achatina fulica.

HÁBITOS

Escargots comem durante toda a noite folhas de couve, repolho, brócolis e alface, etc, intercaladas com ração à base de fubá e soja. Hibernam quando a temperatura desce abaixo de 10ºC , alcançando um sono que pode durar até 6 meses. No Brasil, até mesmo nas regiões mais frias, os animais hibernam de 20 a 60 dias e entram em estivação com o calor excessivo. Conclusão: com muito frio ele dorme, com muito calor se esconde. Nos dois casos quem sai perdendo é o produtor.

INICIANDO A CRIAÇÃO

Deve-se levar em consideração:
– Matrizes. É aconselhável que o iniciante comece com o número máximo de 60 matrizes, plantel que viabilizará(com muita observação)o domínio do manejo e acompanhamento do desenvolvimento dos filhotes;
– Ambiente. As condições variam de acordo com a espécie, no caso da variedade “Gros-gris” são as seguintes:
  • Clima. Decisivo para o sucesso. Regiões de clima ameno são as mais indicadas. A temperatura ideal para os escargots oscila entre 16ºC e 24ºC. Altas temperaturas provocam desidratação, e as muito baixas diminuição das funções orgânicas, resultando em atraso no crescimento e na eclosão dos ovos, podendo ainda fazer com que os escargots entrem em sono hibernal.
  • Umidade. Fator de grande importância para a vida dos escargots que em função da permeabilidade do seu corpo, desidratam com muita facilidade e rapidez, podendo levá-los à morte. O grau de umidade relativa do ar deve ser acima de 80%, sendo o ideal 86%. Assim, como é preciso garantir a alta umidade do local, heliários costumam ter aspersores de água que mantêm o piso sempre úmido.
– Manejo
  • Diariamente. Observar o plantel; Retirar os animais mortos ou doentes; Trocar a água e a ração dos filhotes (dias alternados); Trocar a água e a ração das matrizes (2 em e dias); Pulverizar com água as instalações, caso o clima estija muito quente ou seco; Retirar os potes de postura; Observar as chocadeiras; Limpar as caixas e fazer as anotações necessárias (posturas, mortes, nascimento e observações).
  • Semanalmente. Limpar rigorosamente as instalações, comedouros e bebedouros; Observar a aplicação dos medicamentos preventivos e o estoque de ração.
  • Mensalmente. Verificar percentuais de postura, mortalidade, nascimento; Selecionar os animais jovens, as novas matrizes e os animais para a venda mensal.

REPRODUÇÃO

Deve-se separar para reprodução apenas animais que:
– Apresentem tamanho padrão da espécie ou variedade;
– Sejam sadios;
– Atingiram rapidamente o tamanho adulto;
– Tenham concha e corpo perfeitos, sem fraturas ou calombos;
– Estejam maduros sexualmente (nem novos nem velhos);
– Não apresentem nenhum corrimento ou secreção anormais;
– Tenham sido adquiridos de criadores idôneos, selecionados e em boas condições.

Boas condições ambientais estimulam o acasalamento. É bom lembrar que em um heliário bem conduzido os animais se acasalam naturalmente.
O Ritual de Acasalamento. O Ritual de namoro leva de 20 a 30 minutos, seguido da fase de acoplamento com uma duração de 10 a 12 horas, no mínimo, quando os animais se encontram, se esfregam, se acariciam e então, cada um apresenta o seu “dardo” (espécie de esporão feito de substância calcária utilizado para espetar e excitar sexualmente o parceiro). Aí então, os dois escargots se juntam e fazem com que a parte direita de seus corpos se toquem e seus órgãos genitais se encostem.
É neste momento que cada um lança o seu “pênis” para que penetre na “vagina” do parceiro. A postura é realizada de 10 a 30 dias após o acasalamento. A incubação geralmente dura de 12 a 30 dias e é diretamente influenciada pela temperatura e umidade do ambiente. A partir do 12º dia após a postura acontece o nascimento. Os pequenos escargots ficam no ninho por mais 10 a 12 dias e se alimentam da casca do ovo. São translúcidos e medem de 3 a 4 mm. Após a eclosão, os filhotes sobem para a tampa da chocadeira (a chocadeira pode ser o pote de postura com tampa ou uma caixa, onde serão colocados vários destes potes).
Este comportamento indica que é o momento de serem retirados, com o auxílio de uma colher e transferidos para as instalações da 1ª fase onde deverão receber, logo, alimentação e água;
A Postura. Nesta etapa o escargot cava, com a parte anterior do pé, um buraco de 3 a 4 cm de profundidade, alargado e formando uma câmara. Começa, então, a postura de 80 a 120 ovos que poderá levar de 20 a 40 horas para ser concluída. Terminada a postura, o escargot se recolhe à sua concha e descansa por cerca de 30 minutos. Após isso, tampa a entrada do ninho com terra e dejetos, vigia por algum tempo e depois abandona o local.
Sugere-se colocar potes, copos de plástico ou de vidro, cheios de terra (mistura de 50% de terra argilosa com 50% de areia de rio lavada), são colocados à disposição dos reprodutores para que façam a postura dentro deles.

Doenças. Representam um perigo real já que em curto período de tempo podem aniquilar totalmente um plantel. O melhor que o criador tem a fazer é preveni-las seguindo atentamente as orientações para manejo. As doenças mais comuns são:
  • Coccidiose: É responsável pelos maiores índices de mortalidade. Trata-se de protozoários (microorganismos) que atacam, principalmente, o fígado dos escargots. Não têm sintomas, os animais aparecem mortos. Para prevenir a doença utiliza-se o NF-180, medicamento utilizado comumente no tratamento de animais domésticos atacados pelo mesmo mal.
  • Endoparasitos: Vermes intestinais que prejudicam o crescimento e são os principais responsáveis pela
    mortalidade de filhotes.
  • Ectoparasitos: São ácaros, uma das pragas mais incômodas aos caracóis. Sua presença pode ser detectada visualmente. Os ácaros se instalam na cavidade pulmonar dos escargots, através do pneumostoma. Sugam-lhe o sangue, podendo
    causar pneumonia e até a morte dos animais.
  • Pseudomonose: É produzida por uma bactéria que ataca o intestino e depois o sangue. Sua principal característica é a presença de um líquido azulado em volta do corpo do animal doente.
  • Doença da Postura Rosa: é causada por um micro fungo que faz “gorar” os ovos. As posturas atacadas apresentam a cor rosa avermelhada e ficam deformadas. Os sintomas provocados pelas doenças são muito parecidos, o que dificulta enormemente a sua identificação. São eles: fraqueza, diminuição dos movimentos, problemas na alimentação, postura, acasalamento e até mesmo a morte dos animais.
  • Angiostrongilíase: É uma parasitose, causada por vermes do gênero Angiostrongylus, da classe Nematoda. O caramujo gigante Achatina fulica é o principal transmissor do verme designado Angiostrongylus cantonensis, comum no pulmão de ratos e capaz de causar, no homem, uma meningoencefalite eosinofílica, doença que acomete o sistema nervoso central. Embora sejam conhecidos alguns casos fatais dessa angiostrongilíase, a doença geralmente evolui benignamente para a cura espontânea, porém a sintomatologia pode perdurar por alguns dias a até vários meses. Os casos humanos foram registrados em vários países asiáticos (Japão, Malásia, Filipinas, China etc.) e africanos (Congo, Zaire etc.), e, além do caramujo gigante, outras espécies de caracóis e lesmas também participam na transmissão da doença. Outra forma da angiostrongilíase é a abdominal, decorrente da infecção humana pelo verme Angiostrongylus costaricensis. A forma abdominal apresenta sintomas semelhantes aos da apendicite aguda e, quando acompanhada de obstrução intestinal, aos dos tumores do trato digestivo, podendo motivar tratamento cirúrgico.

LEMBRETE

O criador de escargots, como de qualquer outro animal, deverá ponderar os limites de sua atividade como produtor e como comercializador de seus produtos.
Legislação Específica
Torna-se necessário tomar algumas providências, para a abertura do empreendimento, tais como:
– Registro na Junta Comercial;
– Registro na Secretária da Receita Federal;
– Registro na Secretária da Fazenda;
– Registro na Prefeitura do Município;
– Registro no INSS;(Somente quando não tem o CNPJ – Pessoa autônoma – Receita Federal)
– Registro no Sindicato Patronal;

O novo empresário deve procurar a prefeitura da cidade onde pretende montar seu empreendimento para obter informações quanto às instalações físicas da empresa (com relação a localização),e também o Alvará de Funcionamento.
Além disso, deve consultar o PROCON para adequar seus produtos às especificações do Código de Defesa do Consumidor (LEI Nº 8.078 DE 11.09.1990).
OBS. Caso o empreendedor queira constituir-se com pessoa jurídica.

Algumas legislações que futuro empreendedor deve ter conhecimento:
– LEI nº 7.967/89 – Dispõe sobre o valor das multas por infração à legislação sanitária, altera a Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977, e dá outras providências.

Registro Especial
– Registro no S.I.F. (Serviço de Inspeção Federal). Exigência feita para que o criador possa colocar seu produto no mercado. Sua concessão esta vinculada à manutenção de instalações idênticas às utilizadas para beneficiamento de pescado.
– Registro como produtor rural. Exigência feita para comercializar o escargot vivo.
Na comercialização do produto processado (carne ou pratos prontos), o empresário deverá informar-se a respeito dos registros necessários para sua legalização, já citados acima (Legislação Específica).

Helicicultura - A criação de escargot ou caracol no Brasil

A criação de escargot ou caracol, no Brasil, teve início na década de setenta e de uma maneira mais intensiva e comercial a partir dos anos oitenta, com criadores dos Estados do Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.
Nesta época, não havia muitas informações a respeito, apenas versões apressadas de manuais franceses, que acabavam por incorrer em muitos erros e orientações que não se adaptavam as condições locais. Agora, na década de 90, a febre de se criar escargots ressurgiu em vários pontos do país e a procura por conhecimentos e uma tecnologia de criação recomeçou.

Neste sentido, a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, por estar situada numa região onde se concentravam muitos heliários (criatórios de escargots), começou a ser solicitada pelos criadores em busca de mais informações sobre a atividade.
Assim, através do Departamento de Nutrição e Avaliação do Animal, do Instituto de Zootecnia, deu-se início, há sete anos, as pesquisas sobre a helicicultura (criação de escargots), com o objetivo de se definir um conjunto de práticas e técnicas de manejo que melhor se adaptasse as condições tropicais do pais.

O escargot é um molusco terrestre da espécie Hélix, sendo os mais conhecidos o Petit gris, o Gros gris, o Gros blanc e o Gigante chinês. De hábitos noturnos, o escargot precisa de condições ambientais favoráveis para viver: temperatura entre 16 e 25° C, umidade relativa mínima de 80% e fotoperíodo. Durante o dia procure abrigos úmidos e escuros, protegidos de ventos. A temperatura abaixo de 10°C, geralmente entra em hibernação, acima de 25°C entra em estiva e, abaixo de 0°C, a água dos seus tecidos congela, ocasionando sua morte.

Segundo o zootecnista Edson Assis Mendes, professor e pesquisador da UFRRJ, no Brasil, durante vários anos, houve uma predominância da espécie Petit Gris (Hélix aspersa aspersa) devido ao caráter empírico das criações. Entretanto, quando trabalhos científicos começaram a mostrar resultados, a espécie Gros gris (Hélix aspersa máxima) ganhou espaço e atualmente é produzida pela maioria dos helicicultores. Com tecnologia apropriada, o Gros gris já é abatido com 10 gramas de peso vivo e idade entre 100 e 120 dias, confinados em caixas de plástico ou madeira, em ambiente com temperatura media de 25°C e UR mínima de 80%, alimentados com ração balanceada e ausência total de terra, exceto nas caixas de matrizes, onde coloca-se copos pare desova com 2/3 de terra.

As pesquisas desenvolvidas pelo professor Edson e sua equipe originaram um projeto piloto para implantação de uma helicicultura adequada a pequenos espaços, permitindo uma produção de 58 kg de peso vivo/m2 ao ano, com 60% de rendimento de carcaça, e ainda, após a estabilização do rebanho a partir da 24a semana, o início da comercialização de matrizes selecionadas. Outras conclusões que adequam a helicicultura pare nossas condições ambientais são:

O ambiente ideal para o escargot confinado é conseguido com a utilização de umidificadores, desenvolvidos pelo zootecnista José Luiz da Cunha Machado, e/ou condicionador de ar. Nos laborat6rios da UFRRJ, apenas usando umidificador, consegue-se manter as condições ambientais necessárias.

A densidade máxima recomendada e de 400/200/100 animais por m2 nas 1a, 2a e 3a fases respectivamente. Um aumento muito grande de população induz o escargot a abandonar a concha causando sua morte, a roer sua própria concha ou a dos outros animais. Comportamento este que pode também estar ligado a deficiência de cálcio.

A nutrição indica o uso de ração balanceada com teores de 18% de proteína bruta, 3100 kcal/kg de energia bruta e relação Ca/P de 16:1. Níveis estes conseguidos quando se utilize a seguinte receita: 70% de fubá de milho; 27% de farelo de soja; 1,5% de farinha de ostra; 0,6% de farinha de osso calcinado; 0,4% de premix e 0,5% de sal fino. Sendo que a farinha de ostra deve ser suplementada em recipiente a parte.

Quanto a reprodução, o escargot, tem uma copula que dura até 12 horas. A postura dos ovos e feita em copos de vidro ou plástico rígido, preparados pare este fim, contendo 2/3 de terra fofa e úmida. O ovos devem ser transferidos para outros copos com terra esterilizada para evitar sua contaminação pela mosca do cemitério, e após 14 dias ocorre a eclosão de 75 a 120 filhotes. Entretanto, nos laboratórios do Instituto de Zootecnia vem sendo conseguido, com sucesso, a eclosão em ausência total de terra, apenas mantendo-se as condições ambientais ideais. Experiência, essa, que já vem sendo conseguida, também na França.

Criar escargots no Brasil tem futuro promissor. Atualmente toda a produção do país, em torno de 25 toneladas anuais, é consumida internamente e a tendência e aumentar a cada dia com a popularização do uso culinário. O mercado externo também é amplo, especialmente na Europa. Na França, por exemplo, são consumidas mais de 45 mil toneladas anualmente.

Fonte: www.cpt.com.br.

Criação de caracóis no Brasil

A criação de escargot, também conhecida como helicicultura, destinada ao comércio no Brasil é recente, data do início da década de 80. Antes disso, os moluscos eram criados como atividade meramente esportiva, por hobby. A necessidade de direcionar esse produto ao comércio é oriunda de uma demanda cada vez mais maior em relação a esse tipo de alimento, nobre e saudável. A carne de caracol é rica em diversas substâncias, como proteína, cálcio, ferro, magnésio e sódio. Quando comparada a outras fontes proteicas, ela ainda se destaca pelo seu baixo teor de gordura e colesterol.


Instalações da helicicultura
A instalação necessária para que a criação desses moluscos seja iniciada vai depender de diversos fatores, como a quantidade de animais que se pretende criar, o clima e o relevo do local. É imprescindível que o local onde serão depositadas as caixas de criação seja bem fechado para proteger os caracóis de possíveis predadores e para facilitar o controle da temperatura e da umidade. Um umidificador é suficiente para ambientes de pequenas criações. No entanto, ele pode ser substituído por borrifadores ou bicos aspersores de água.

Sistemas de criação
Zootecnistas elencam e caracterizam os três tipos de criação de moluscos possíveis:
- Sistema extensivo: quando os escargots são criados ao ar livre;
- Sistema semi-intensivo: quando a eclosão dos ovos ocorre em ambiente controlado, mas os moluscos jovens são levados para o ambiente externo depois de 6-8 semanas;
- Sistema intensivo: quando os caracóis são mantidos em cativeiro. 




Caixas de criação
As caixas de criação, devem ser mantidas a uma certa distância do chão a fim de facilitar o manuseamento. Esses pés, ou estacas, precisam ser revestidos com um “avental” de plástico ou metal para impedir que possíveis predadores tenham acesso aos caracóis e os ataquem. Essas caixas de criação, normalmente quadradas ou retangulares, não podem ser depositadas em locais que recebam incidência direta de sol e chuva. É recomendado que sejam feitas pequenas aberturas no fundo das caixas para que o excesso de água não se acumule em seu interior. A terra, escura e crivada, deve ser depositada até uma altura de 18-25 cm. 

Considerações sobre a comercialização
As possibilidades de comercialização que podem ser exploradas pelos criadores de escargots: 
- venda de escargots vivos para indústrias de conserva; 
- venda de carne congelada; 
- venda de pratos prontos (congelados ou não); 
- venda de conchas para artesanato; 
- venda de conchas para produção de ração animal; 
- venda de iscas vivas para pescaria. 
O mercado consumidor de escargots é formado por restaurantes, hotéis, gourmets shops, supermercados, famílias, indústrias de conserva, exportadores, decoradores, arquitetos, boutiques, indústrias de ração e pesqueiros do tipo “pesque e pague”.

Vantagens da criação de escargots
Entre as vantagens da criação de escargots, pode-se destacar a possibilidade de executarmos tal atividade em pequenas propriedades cujo manejo seja oriundo da mão de obra familiar, tornando-a menos custosa. Além disso, ela dispensa tecnologias avançadas; os animais e os seus excrementos não lançam mau cheiro; as instalações e o manejo são simples, bem como as ferramentas e os equipamentos necessários são baratos. 

Fonte: www.cpt.com.br

Festival do Caracol e da Sangria - Santarém 31 de Julho a 2 de Agosto

Começa amanhã o Festival do Caracol e da Sangria, que terá lugar na sede do CCFC da Portela das Padeiras, em Santarém.
Neste festival poderá deliciar-se com variadas receitas de caracóis acompanhadas com a deliciosa sangria, e terá também bar jovem e animação musical nas noites de Sexta e Sábado.




Festival do Caracol Saloio 2015 em Loures

O Festival do Caracol está de volta a Loures, entre 10 a 26 de Julho, para fazer as delícias dos amantes desta iguaria tipicamente portuguesa. Com entrada gratuita, o evento conta com dez tasquinhas, espectáculos diários, espaço de animação infantil e mostras de artesanato.

Festival do Caracol Saloio 2015 em Loures
Festival do Caracol Saloio 2015 em Loures
“Caracoleta à Bulhão Pato”, “Empada de caracol”, “Chili de caracoleta” ou “Farinheira com ovos e caracóis” são algumas das especialidades que os visitantes podem degustar, durante os 17 dias do festival, nas tasquinhas que representam restaurantes do concelho de Loures.


Petiscos condimentados, animação de palco e de rua, exposições e artesanato do concelho são apenas alguns dos extras que completam o evento onde os gastrópodes são os protagonistas.

A nível internacional, o Festival entrou no livro do Guiness, em 2009, com o maior tacho de caracóis do mundo e, em 2014, o programa “Bizarre Foods”, do canal “Travel” fez um programa sobre o evento.

Curso de Helicicultura (Formação teórica e práctica) - Agosto 2015


Olá amigos.
Hoje trazemos boas notícias para os amantes da helicicultura que pretendam receber formação nesta área quer seja por interesse pessoal ou para se iniciarem na produção de caracóis.



A formação que vai acontecer já no próximo mês de Agosto terá lugar na região de Lisboa, mais concretamente em Odivelas, e terá a seguinte constituição:

  • Tipo: Curso teórico com visita à unidade de produção. 

  • Carga horária: 25 horas (21 teóricas + 4 práticas) Divididas em 5 sessões de 5 horas cada 

  • Objectivo: No final do curso os formandos deverão saber efectuar as operações relativas ao maneio alimentar, reprodutivo, higienosanitário e produtivo de uma exploração helicícola. 


Esta formação vai munir o novo Helicicultor dos conhecimentos obrigatórios para produzir caracoleta de alta qualidade com custos baixos de produção. 

Como vai ser? Nesta formação vão ser abordadas todas as temáticas fundamentais à gestão de uma unidade helicícola para engorda de caracoleta. Vai ficar a saber todos os aspectos relativos à identificação dos hábitos e morfologia dos animais, passando pela preparação dos parques, cálculo de dietas, reprodução, cuidados higienossanitários, controlo de pragas, engorda, apanha, purga, embalamento e transporte

Curso de Helicicultura (Formação teórica e práctica) - Agosto 2015

9º Festival do Caracol no Vale de Santarém

O Rancho Folclórico do Vale de Santarém vai realizar entre 26 e 28 de Junho a nona edição do seu Festival do Caracol.
Além dos muitos petiscos no bar do recinto, onde nunca faltarão os deliciosos caracóis,  o evento contará com a actuação de artistas de renome regional e nacional.
Na sexta-feira, às 20:30, terá lugar a abertura do festival sendo que a partir das 21:30 o Duo Novo Ritmo abrilhantará o baile pela noite dentro, apenas interrompido das 23:30 às 01:00 para actuação do cantor Sérgio Rossi.

Sábado abre às 13 e às 15:00 inicia-se a tarde radical com diversas actividades, e depois a noite iguala a de sexta, mas será a vez do grupo Geração XXI animar o baile e a cantora Nucha é a estrela convidada para actuar.

No domingo, dia 28, as actividades começam logo às 10:00 com uma Caminhada pela vila, depois às 15:00 acontece a Tarde Infantil com insufláveis e às 18:30 será a mega aula de zumba com Silvana Patrício.
O baile de domingo contará com a actuação do Duo Daniel Matos e o encerramento do Festival será às 01:00
Localização: Veja aqui o mapa

CLIQUE PARA AMPLIAR
CARTAZ DO 9º FESTIVAL DO CARACOL

Caracoleta Alentejana

[...] Casa Branca, no concelho de Sousel, saem por ano cerca de 40 toneladas de caracoletas para as lojas de uma cadeia da grande distribuição. Os responsáveis por este negócio são marido e mulher. António e Stela. [...] 

 [...] Hoje o negócio prosperou e as suas caracoletas, através das lojas Pingo Doce, são distribuídas em todo o País, quer no verão, altura forte de venda, quer no fim de ano, uma data que se tem revelado boa para o escoamento do produto. [...]

in Diário do Alentejo

Já há caracóis ?!

CaracóisCaracol lembra cerveja gelada, pedaços de pão embebidos no molho aromático, em finais de tarde na esplanada em amena cavaqueira. Nem toda a gente os aprecia, mas quem gosta, gosta mesmo.

Lentamente este petisco começa a entrar nos hábitos das populações do centro do país e até já se encontra em alguns (poucos) estabelecimentos no norte.

Há, sobretudo, alguma repugnância por este animal, de que se conhecem 35 mil espécies e que é um molusco gastrópode que pertence a um grupo que inclui outras espécies marinhas como os bivalves, polvos, chocos e lulas.

Para além disso, possui uma espécie de “pé”, ou músculo ventral, que lhes permite deslizar sobre um rasto de muco, nunca entrando em contacto com quaisquer materiais ou impurezas. Significa isto que o caracol é um bicho bem mais limpo do que, por exemplo, uma galinha ou uma vaca, até porque a sua alimentação é quase exclusivamente feita à base de plantas.

Os nutricionistas não hesitam ao afirmar que a carne de caracol é um dos alimentos mais saudáveis que podem ser consumidos pelo Homem. É pobre em gordura (0,5% a 0,8%) em comparação com a de vaca (11,5%) e galinha (12%) e, para além disso, cada 100 gramas correspondem a apenas 80 calorias.

Em paralelo, o caracol é rico em proteínas (12% a 16%) e sais minerais. E, de acordo com o ministério espanhol da Saúde, nesse conjunto de proteínas está presente a quase totalidade dos aminoácidos necessários ao corpo humano, sendo uma opção de alta qualidade para regimes hipocalóricos, dietas para desportistas, diabéticos e quem sofra de anemia, grávidas e mães a amamentar

O caracol é, desde a Antiguidade, recomendado como remédio para vários tipos de males. Crendices ou não, é certo que os aminoácidos contribuem para a reconstituição da integridade dos tecidos gástricos e, portanto, para a cura de úlceras.

Um absoluto lugar comum relaciona os caracóis com a lentidão. Mas nunca ninguém se tinha lembrado de medir a velocidade que atingem, até um grupo de cientistas – norte-americanos, pois claro – se ter dedicado à tarefa de determinar que a velocidade média de um caracol comum é de um milímetro por segundo.

E já que o assunto é velocidade, importa acrescentar que o caracol foi escolhido como símbolo pelos criadores da “Slow Food”. Este movimento, que pode ser traduzido literalmente por “comida lenta”, foi fundado em Itália em 1986, tem já representações numa centena de países e luta pela protecção dos produtos e receitas de qualidade e tradicionais.
 
Através de várias iniciativas, a associação promove a cultura gastronómica, desenvolve a educação do gosto, conserva a biodiversidade agrícola e protege os alimentos tradicionais do risco de extinção.
 
Afinal, ser lento não é necessariamente uma desvantagem.Caracol

 

Caracóis e “caracoles”

 
No nosso país, as receitas mais tradicionais não dispensam, como já se viu, o tempero dos orégãos e do alho.
 
Já em Espanha, as versões dos “caracoles” mudam de região para região. Se no sul do país vizinho, imperam os molhos com especiarias e tomate, na Catalunha foi criada uma paella à base de carne de coelho e caracóis.
 
E não é difícil encontrar, em plena Andaluzia, um gaspacho gelado com caracóis.
Em Logroño, na Galiza, a sopa e o guisado de caracóis são os pratos típicos na Noite de São João, a 24 de Junho. E Em Aragão, o petisco mais procurado são as caracoletas assadas e regadas com um molho de azeite e alho.
 
Atravessando o Mediterrâneo, os caracóis são também consumidos no Norte de África, sendo a cidade marroquina de Marraquexe um dos centros gastronómicos do gastrópode, que é cozinhado com especiarias como açafrão e uma pitada de canela.Caracóis



Os “escargots” franceses


Na Península Ibérica, os caracóis são habitualmente conotados como um prato servido em locais populares. Mas, do outro lado dos Pirinéus, em França, tomam o nome de “escargots” e são uma iguaria servida nos restaurantes mais luxuosos, tendo mesmo sido concebida uma linha específica de talheres para evitar que os comensais usem as mãos

Os “escargots” são parte importante do património gastronómico gaulês, sendo consumidos como entrada ou prato principal. No Natal e na passagem de ano, nunca faltam à mesa dos franceses, sendo essa a época de maior consumo. A forma tradicional de os cozinhar envolve um molho à base de manteiga, alho e salsa

O consumo de caracóis em França ronda a 40 mil toneladas por ano, das quais cerca de metade são importadas de países como Portugal, Espanha e Grécia.Caracóis



A criação de caracóis

 
“Helicicultura” é a designação técnica dada à criação de caracóis e este nome remete para a forma de hélice das conchas. Como é natural, é em França que esta actividade económica se encontra mais desenvolvida, em quintas espalhadas um pouco por todo o país. Além da reprodução pura e simples, os criadores dedicam-se igualmente ao cruzamento de espécies, procurando obter exemplares de dimensão apreciável e, ao mesmo tempo, com o sabor mais desejado. Para isso, tentam obter animais “mestiços” com os genes dos caracóis mais comuns e das caracoletas.
 
Hermafroditas, os caracóis podem acasalar com qualquer outro indivíduo da sua espécie, desde que este se mostre disponível, produzindo uma apreciável quantidade de ovos. Os caracóis podem parecer animais muito vulgares, mas algumas espécies encontram-se ameaçadas de extinção, principalmente devido à acção do Homem e à poluição. Outras existem apenas em cativeiro, reproduzindo-se em jardins zoológicos.

Estes animais variam significativamente de tamanho. A maior espécie terrestre é o Gigante Africano, que pode medir até 30 centímetros, enquanto o campeão dos caracóis aquáticos vive nos mares da Austrália, atingindo 45 centímetros e 20 quilos. A longevidade também é variada, e se grande parte das espécies não atinge os três anos, existem caracóis com 30 anos.

Arroz de coelho com caracóis

Arroz de coelho com caracóis

Tempo de Preparação: 40 a 60 min.   Receita para: 4 pessoas.

Ingredientes:

1 coelho; 
400g de arroz; 
2 dúzias de caracóis; 
1 tomate médio maduro; 
1 copo de azeite; 
salsa; açafrão; sal; 
1 pimento vermelho; 
limão; água.

Preparação:

Limpe bem os caracóis e coza-os numa panela. De seguida, corte o coelho e frite-o numa frigideira com azeite e sal, até dourar. Acrescente o pimento cortado em tiras e deixe alourar um minuto sem permitir que se queime, retire e deixe de parte, adicione o açafrão e o tomate. De seguida colocar o arroz, deixando-o fritar ligeiramente. Acrescente água (3 de água por 1 de arroz). Quando começar a ferver adicione o açafrão, a salsa, o sal e os caracóis, mantendo o lume alto durante 20 minutos, para posteriormente ir baixando o lume por etapas, levando cerca de 10 minutos até desligar. Deixe repousar com a panela tapada, durante 5 minutos, antes de servir.

O beijo dos caracóis

Vyacheslav Mischenko, fotógrafa ucraniana, é conhecida pelas imagens que faz com caracóis no seu ambiente natural. Desta vez, captou dois caracóis numa cereja, num ‘beijo’ que enternece. Mischenko considera que esta é uma das mais belas imagens que alguma vez conseguiu.

O beijo dos caracóis

Dois caracóis, duas cerejas e muita paciência, até ao clique no momento certo. Vyacheslav Mischenko voltou a mostrar as suas capacidades como fotógrafa, capaz de transportar da natureza os momentos mais enternecedores.

A foto foi conseguida em Zhytomyr Oblast, na Ucrânia. Vyacheslav viu as movimentações dos caracóis e percebeu que, com muita paciência, iria conseguir registar o beijo dos caracóis.

Foi um momento belo, como belos são os momentos que a natureza exibe. E Vyacheslav deixa um conselho: “As pessoas perdem tempo com o que é desinteressante. E se olhassem para a olhar para a natureza com mais atenção, conseguiriam testemunhar momentos tão belos como este”.

A fotógrafa ucraniana já conseguira imagens semelhantes, com os ‘beijos’ dos caracóis ao ambiente que os envolve. Esta é mais uma das fotografias brilhantes que junta ao seu longo portfólio.

Foto: Vyacheslav Mischenko/CATERS

Caracóis portugueses estão na moda

Produção já ultrapassou as 500 toneladas por ano e dá três milhões de euros.
A produção de caracóis em Portugal ultrapassou as 500 toneladas por ano. Segundo os dados divulgados esta quinta-feira na Lourinhã, no I Encontro Nacional de Helicicultores, está em causa um rendimento na ordem dos três milhões de euros.
De acordo com Paulo Geraldes, presidente da Cooperativa dos Helicicultores, há em Portugal cerca de 150 produtores espalhados de norte a sul do país. Este número equivale a uma área de produção de 300 hectares.
Nos últimos três anos o aumento de produtores foi na ordem dos 200% e deveu-se em parte ao financiamento comunitário. Este apoio por parte da União Europeia tem sido fundamental para a divulgação do produto a nível internacional e consequente incremento da produção e consumo interno.
Falamos de 13 mil toneladas de caracóis. Este é o número do consumo desta iguaria em Portugal. E embora seja um valor considerável, o alvo dos produtores é o mercado da exportação. Quando questionado sobre a razão para “ocupar” o mercado internacional com caracol português, Paulo Geraldes indica que “a qualidade do nosso produto” é de facto o elemento-chave.
Actualmente os países que fazem parte da lista de exportação são a Espanha, França e Itália e tem como mercados emergentes o asiático e o árabe. Geraldes volta a referir a qualidade como factor diferenciador “na promoção e aposta da comercialização internacional da helicicultura”.
Os mais jovens também estão interessados na produção de caracóis. Paulo Geraldes refere que os agricultores mais jovens são os que mais têm investido na área e mostram mais vontade de expandir e melhorar a qualidade do caracol português. “Os jovens agricultores fazem neste momento uma série de opções e análises dessas opções e alguns enveredam por outras áreas, como a pêra abacate, na zona sul, e os pequenos frutos, as ervas aromáticas, os cogumelos e alguns pela helicicultura”.

Caviar de caracol produzido no Algarve desafia chefes

O chamado "caviar branco", que mais não é que ovas de caracol e cujo preço pode atingir os 1.500 euros por quilograma, está a ser produzido no Algarve e a constituir um novo desafio para os chefes da alta cozinha.

O preço elevado deve-se à raridade do produto, já que cada caracol produz em média cerca de quatro gramas, uma vez por ano, e nem todos os ovos apresentam a qualidade exigida para a chamada cozinha 'gourmet'.
Caviar de Caracol Algarvio
"O nosso produto não é transformado, é puro e mantém-se puro desde a recolha até ao seu embalamento. Temos um pequeno segredo que nos permite ter o produto inalterado e quebrar o ciclo de crescimento do caracol", disse Altair Joaquim, sócio-gerente da CaviarBlanc, empresa responsável pela produção destas ovas, frisando que "é esse segredo" que garante a diferença e a qualidade da marca algarvia, produzida perto do concelho de Olhão.
Originalmente desenvolvido em França, o caviar de caracol começou a ser produzido em Portugal há já alguns anos, sendo toda a produção dirigida à exportação.
Altair Joaquim disse que a ideia de negócio da "CaviarBlanc" no Algarve surgiu há cerca de quatro anos, depois de se "debruçar sobre informações" que o pai trouxera de França sobre helicicultura, processo de criação e exploração de caracóis da espécie Helix Aspersa Maxima.
Há dois anos, a ideia consolidou-se e o projeto de Altair Joaquim foi aprovado e financiado por fundos comunitários no âmbito do PRODER, permitindo a construção de toda a estrutura necessária para a produção de caracóis, e a recolha, tratamento e acondicionamento dos ovos.
O responsável pela CaviarBlanc prevê que a produção de ovos de caracol possa atinja os 200 quilogramas por ano, depois da conclusão de todos os investimentos previstos [uma nova maternidade], o que deverá ocorrer até ao final deste ano.
Para escoar o produto, o empresário aposta nos mercados europeu e asiático, frisando que o grande objetivo é atingir "uma forte implantação nos Emirados Árabes Unidos e em Macau".
"Gostava de dizer que o nosso alvo é o mundo inteiro, para dar a provar o produto a toda a gente. Contudo, neste momento, focaliza-se em distribuidores dos produtos de alta qualidade a nível 'gourmet' e no setor da alta cozinha", explicou o produtor algarvio.
Em Portugal, a estratégia de promoção do "caviar branco" passa pelo contacto direto com chefes cozinheiros prestigiados, tendo conseguido que o produto começasse já a ser utilizado por Luís Mourão, responsável pelo restaurante Al Químia, do Epic Sana Algarve Hotel, um hotel de cinco estrelas de Albufeira.
"É um caviar diferente que não é utilizado com frequência, mas tem tido muito boa aceitação por parte dos clientes. Tem sido uma experiência interessante", disse Luís Mourão.
Apesar da boa reação que tem tido dos clientes, Luís Mourão reconheceu que, por vezes, se disser que se trata de ovas de caracol, o cliente "fica um pouco reticente". Se disser que é caviar branco, "fica bem, sai melhor".
Em plena cozinha, Luís Mourão explicou que a grande diferença entre o caviar tradicional de esturjão e o caviar de caracol está no sabor.
"Enquanto o outro [esturjão] sabe mais a mar, este tem um sabor a terra, um bocadinho mais salgado. São coisas completamente diferentes", descreveu.
'Escargot' com caviar branco e pão de pistacho, 'foie gras' -- fígado de pato ou ganso - temperado com caviar branco em vez da tradicional flor de sal e uma margarita onde o caviar branco substituiu novamente o sal são algumas propostas apresentadas por Luís Mourão e a sua equipa.
O chefe disse ter sido fácil associar os ovos de caracol aos pratos do seu menu que têm 'escargot' e que as características do próprio caviar propiciam a sua conjugação com outras iguarias.
A empresa 'CaviarBlanc' de Olhão está a direcionar a divulgação e comercialização do produto para os chefes de cozinha, disponibilizando cada frasco de 28 gramas por 42 euros.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...